O Brasil já mudou

Felipe Pedri *

Dia 1º de janeiro de 2019 está logo ali. Não é apenas mais um ano que está nascendo, e sim o ano que pode entrar para os livros de história como a grande virada do Brasil para se tornar uma das principais nações do mundo.

A expectativa é grande. Três em cada quatro brasileiros acreditam que o país será melhor. Faz todo o sentido, pois os sinais são muitos.

E é necessário jogar luz no trabalho do grupo mais importante do novo governo, ao mesmo tempo em que é o menos compreendido: o grupo político. Liderado pelo futuro ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, esse grupo conta com o general Santos Cruz, Gustavo Bebbiano, Luiz Henrique Mandetta e Tereza Cristina e dá o tom da sensível mudança no jeito de fazer política E vai ao encontro dos anseios da sociedade.

O mais delicado compromisso de campanha de Jair Bolsonaro foi, sem dúvidas, acabar com o famigerado toma-lá-dá-cá na relação do Poder Executivo com o Legislativo, que perdura por décadas. Algo como pegar a nave Brasília em "velocidade de cruzeiro" em uma direção e mudar bruscamente a rota. Foi exatamente o que a equipe de transição fez.

> Maia e Renan são favoritos para presidir Câmara e Senado, apontam líderes do novo Congresso

Onyx Lorenzoni pode ser considerado o grande algoz do toma-lá-dá-cá. Com habilidade política e força para segurar todos os grupos, egos e interesses  na montagem do governo, Onyx foi o condutor da nova relação. E isso não é de agora.

Em julho, 90 dias antes do pleito, o deputado já tinha uma lista firme de 120 deputados que apoiariam um futuro governo – resultado de um trabalho iniciado em 2017, quando o gaúcho abraçou a ideia da mudança com o então deputado Jair Bolsonaro.

Cresceu na campanha com as bancadas temáticas abrindo apoio ao capitão. Só da agricultura foram mais de 250 parlamentares. Estava colocada na prática a ideia de que, no fim das contas, restabelece uma relação de poder verdadeira, limpa, por pautas e não por cargos.

Eleito, o novo governo partiu para a transição apoiado no mesmo ideal.

Com as bancadas temáticas, ocorre um duplo benefício: uma espécie de descentralização de poder e a conquista de maioria no Legislativo por afinidade de ideias. Algo impensável em um país que elegeu Lula, que logo após se aliou a figuras como José Sarney, Renan Calheiros e Fernando Collor.

O núcleo político avançou muito bem na conquista de maioria na Câmara e, agora, adentra o Senado. Esse é, sem dúvida, o jogo mais difícil.

Os caciques partidários não estão sabendo lidar com a nova fase da República e tentam desestabilizar Onyx. O desafio do futuro chefe da Casa Civil é simplesmente viabilizar o governo – pois, sem reformas, leia-se Congresso Nacional, não haverá governabilidade mínima.

O plano está dando certo.

O general Santos Cruz terá uma dura missão pela frente, chefiando a Secretária de Governo. Sob o seu guarda-chuva estão a Secretaria de Comunicações, o programa de parcerias de investimentos e a relação com estados e municípios. Além da tarefa complexa, o general, militar-político da transição, deve ser o articulador do círculo militar do governo com a real politik. Tarefa que não é fácil.

 

"Os caciques partidários não estão sabendo lidar com a nova fase da República e tentam desestabilizar Onyx", diz  Felipe Pedri- Foto: Reprodução

 

Gustavo Bebianno faz parte do círculo mais próximo de Jair Bolsonaro. Presidente do PSL durante a campanha e escolhido futuro Secretário-Geral da Presidência da República, trabalha muito próximo ao chefe da Casa Civil e, como líder da pasta que dá apoio ao presidente, é peça chave no Planalto. Com forte influência sobre as bancadas do PSL, Bebbiano entende perfeitamente os desajustes iniciais da sigla que ocupou a direita do campo partidário nacional.

Nos ministérios da Agricultura e Saúde, seguiu-se a coerência. Ao unir um técnico com apoio político, foram escolhidos Teresa Cristina e Luiz Henrique Mandetta, parlamentares com grande apoio das bancadas temáticas.

Na Saúde, pasta com o maior orçamento, são latentes a corrupção  desenfreada, os conceitos de saúde pública ultrapassados e a má qualidade na assistência. Aí, mais uma vez, outra escolha do novo governo será de grande ajuda: Sérgio Moro poderá contribuir muito no processo de compliance no sistema como um todo.

Na Agricultura os desafios são outros. Com cerca de 40% do produto interno bruto, a pasta tem a missão de cuidar da área que sustenta o país. Infraestrutura para escoamento de produção, segurança no campo, segurança alimentar e temas relacionados à competitividade devem ser prioridades. Teresa Cristina tem um ótimo cenário pela frente, com o campo unido em torno do nome dela.

Ninguém muda nada se não fizer diferente. O Brasil precisa de mudanças e o novo governo está fazendo a sua parte.  Do jeito que sempre deveria ter sido. Faltava coragem e patriotismo. Não falta mais.

Feliz 2019. Feliz novo Brasil.

* Publicitário e analista político, é editor do site "Socialista de Iphone", fundador da Banda Loka Liberal e ex-coordenador regional do Movimento Brasil Livre no Rio Grande do Sul.

 

CNI/Ibope: maioria dos eleitores está otimista com futuro governo Bolsonaro

Bolsonaro deve integrar toda a área de infraestrutura em superministério

 

Se você tem uma visão diferente sobre este tema e gostaria de vê-la publicada aqui, mande sua sugestão de artigo para [email protected].

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!