Estamos mudando o site. Participe enviando seus comentários por aqui.

Ministro de Temer sugere SUS pago e criação de tribunal superior ao STF

O ministro da Secretaria do Governo, Carlos Marun, fez algumas sugestões ao pré-candidato da sigla, Henrique Meirelles, e a deputados do partido. Na mensagem, revelada pelo jornal Folha de S. Paulo no fim da noite de ontem (domingo, 22) o articulador político do presidente Michel Temer fala em manter o programa Bolsa Família, mas sugere uma série de outras mudanças, como um “valor mínimo para o atendimento pela saúde pública”. O Sistema Único de Saúde (SUS) permaneceria gratuito “somente para aqueles que são realmente carentes”.

O ministro afirmou que as propostas são suas “posições pessoais”, a serem discutidas com Meirelles com o partido.

Meirelles confirmou ao jornal que recebeu o texto de Marun, que propõe ainda uma “leniência” ao caixa dois de eleições passadas - uma tentativa de aprovar uma medida semelhante se deu em 2016 na Câmara - e uma nova instância da Justiça, uma Corte acima do Supremo Tribunal Federal (STF). O emedebista afirmou à repórter Marina Dias que leria as propostas do colega com cuidado e conversaria com a equipe que monta seu programa de governo.

Retomar a reforma da Previdência, proposta que foi enterrada no Congresso no início do ano, após as eleições também faz parte do “pacote” proposto por Marun.

“Débil mental”

Ao comentar a interferência do Palácio do Planalto para pôr fim ao flerte entre o grupo de partidos chamado de “Centrão” com o presidenciável Ciro Gomes (PDT), o ministro o chamou de “débil mental”.

Marun afirma na mensagem que o veto ao apoio de PR, DEM, PP e PRB à candidatura do pedetista ajudou o tucano Geraldo Alckmin (PSDB), mas que isso não era “de todo ruim”.

Marun afirmou que não teria se referido ao ex-governador do Ceará dessa forma se soubesse que a mensagem se tornaria pública. Em resposta à reportagem, afirmou que um candidato à Presidência “deve ser publicamente tratado com maior respeito”, independente de posições pessoais.

Outras sugestões

Além de anistia ao caixa dois, SUS pago, criação de uma Corte acima do STF e retomada da reforma da Previdência em novembro, o articulador de Temer também sugere uma reforma política em janeiro, “relativização” da estabilidade do funcionalismo público, autonomia do Banco Central, revogação da Lei da Bengala, votação da proposta que cria a lei do Abuso de Autoridade, criação de um Conselho Superior para as polícias e obrigatoriedade de TVs públicas apresentarem programas educativos produzidos pelo governo todos os dias em duas faixas horárias.

Leia a íntegra da reportagem da Folha

Continuar lendo