Major Olímpio sobre Joice Hasselmann: “Tresloucada”

Para o senador eleito Major Olímpio (PSL-SP), a responsável pelos desentendimentos na bancada do partido que vieram à tona na última quinta-feira (6) é Joice Hasselmann (PSL-SP), ex-jornalista que se elegeu em outubro como a deputada mais votada da história da Câmara. Famosa depois de sua atuação nas redes sociais, Joice estaria isolada no partido, mas lutando para passar a imagem oposta, avalia Olímpio.

Nesta sexta-feira (07), a deputada eleita rebateu o desafeto desde as épocas de campanha eleitoral e o acusou de ser o responsável pela confusão. No Twitter, ela replicou a mensagem de um seguidor que relacionava o deputado militar ao vazamento de imagens do grupo de parlamentares no WhatsApp.

 

Olímpio negou as acusações em entrevista ao Congresso em Foco. “Quem tá agredindo o Eduardo Bolsonaro, numa ânsia tresloucada de parecer importante e ser líder, é ela. Pergunte pra todos os eleitos quem é o responsável por tudo isso”, dispara. Ele afirma que não haveria racha no partido, porque “todos estão contra ela”.

O senador eleito alegou que a recordista de votos reage à falta de apoio à liderança do partido na Câmara. A bancada estaria em um clima unânime de apoio a Eduardo Bolsonaro, filho do presidente eleito, em que o Delegado Waldir atuaria como seu braço-direito na vice-liderança. Questionado se não haveria apoio a Hasselmann de nenhum dos parlamentares do PSL, ele desafiou: “Procura. Se você achar…”.

> Em disputa de poder, parlamentares do PSL batem boca e Bolsonaro articula contra Maia

Olimpio afirma ainda que, embora os quatro senadores do PSL estejam em negociações, o cenário deve ser o mesmo da Câmara. O filho mais velho do presidente eleito, Flávio Bolsonaro, é o nome mais cotado para a liderança do PSL no Senado.

Alguns eleitores se queixaram da postura dos parlamentares ao se atacarem em público: “Parece criança”, escreveu um deles no Twitter (veja abaixo).

 

Joice também tem usado com frequência o Twitter para se manifestar. "Infelizmente @majorolimpio me expõe em público, logo tenho que responder em público. Ele comanda o partido com truculência, aos gritos, com ameaças aos desafetos. Expulsou pessoas, tentou me expulsar, colocou os 'seus' nos diretórios e excluiu gente que deu a vida na campanha", registrou a deputada eleita.

Ela acusa o partido de manter negociações com as demais legendas “abaixo da linha de miséria”. Eduardo, para se justificar, acabou revelando a estratégia do governo eleito: a bancada estaria costurando acordos de forma discreta, propositalmente. Caso o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, soubesse dos planos para fortalecer o PSL, poderia votar pautas-bomba para o governo eleito em represália à perda de apoio na presidência.

O clima já era notado na primeira reunião dos recém-eleitos parlamentares do PSL. Joice Hasselmann se apresentou como principal articuladora com as demais legendas, citou explicitamente que vários parlamentares do próprio partido estariam incomodados com a inacessibilidade de Jair Bolsonaro e do futuro ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni (DEM-RS), e garantiu que estaria neutralizando a situação com a ajuda de Jair Bolsonaro.

O Congresso em Foco entrou em contato com a deputada Joice Hasselmann mas não teve retorno até a publicação desta reportagem.

 

> Indefinição e críticas a Onyx Lorenzoni marcam primeira reunião do PSL depois das eleições

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!