Embaixador da Itália diz que conversou com Bolsonaro sobre extradição de Battisti

O presidente eleito Jair Bolsonaro recebeu na manhã de hoje (5) o embaixador da Itália, Antonio Bernardini, e os dois conversaram sobre a extradição de Cesare Battisti. O italiano foi condenado no seu país de origem por terrorismo e quatro assassinatos e vive no Brasil desde 2004. Durante a campanha, Bolsonaro disse que trabalharia para extraditar o italiano, como vem pedindo o governo da Itália.

Ao sair do encontro, o embaixador disse que “o caso Battisti é muito claro”. “A Itália está pedindo a extradição do Battisti. O caso está sendo discutido agora no Supremo Tribunal Federal. Esperamos que o Supremo tome uma decisão no tempo mais curto possível”, disse Antonio Bernardini a jornalistas.

O italiano de 63 anos fazia parte do grupo Proletários Armados para o Comunismo (PAC) e foi condenado à prisão perpétua na Itália em 1993. Em 2004, mudou-se para o Brasil e em 2007 foi preso. O governo italiano pediu a extradição de Battisti, mas o então ministro da Justiça Tarso Genro concedeu refúgio político a ele. O Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu então que a palavra final deveria ficar a cargo do então presidente Lula. No último dia de seu governo, em 31 de dezembro de 2010, Lula negou a extradição do italiano.

Na campanha presidencial, Bolsonaro afirmou que era favorável à extradição de Battisti. “Reafirmo aqui meu compromisso de extraditar o terrorista Cesare Battisti, amado pela esquerda brasileira, imediatamente em caso de vitória nas eleições”, escreveu no Twitter.


Antes de receber Bernardini, Bolsonaro também se reuniu com o embaixador da China, Liz Jinzhang, mas ele não concedeu entrevista à imprensa na saída da reunião.

*Com informações da Agência Brasil

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!