Fundo eleitoral de R$ 3,8 bilhões: veja como cada deputado votou

O novo valor do fundo eleitoral, destinado a cobrir gastos de candidaturas nas eleições de 2020, ainda precisa ser aprovado em relatório final da Comissão Mista de Orçamento e confirmado no plenário do Congresso. Mas a decisão de 23 deputados, de aprovar a elevação do fundo de R$ 2 bilhões, como proposto pelo governo, para R$ 3,8 bilhões, tem causado polêmica. Apenas cinco votaram contrariamente (saiba como cada deputado votou mais abaixo).

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, alega R$ 500 milhões serão remanejados da saúde para financiar campanhas eleitorais. Também se fala no Congresso na retirada de dinheiro da educação e da infraestrutura. O relator, Domingos Neto (PSD-CE), nega. Segundo ele, o recurso virá de lucros de estatais com os quais o governo não estava contando. Domingos diz que área nenhuma vai ser prejudicada. A votação final da Lei Orçamentária de 2020 deve ocorrer entre os próximos dias 17 e 18 no plenário.

Veja como cada deputado votou:

A favor do aumento do fundo:

Beto Faro (PT-PA)

Bohn Gass (PT-RS)

Cacá Leão (PP-BA)

Carlos Gaguim (DEM-TO)

Dagoberto Nogueira (PDT-MS)

Domingos Neto (PSD-CE)

Flaviano Melo (MDB-AC)

Gonzaga Patriota (PSB-PE)

Hiran Gonçalves  (PP-RR)

João Roma (Republicanos-BA)

José Nunes (PSD-BA)

Juscelino Filho (DEM-MA)

Marcelo Nilo (PSB-BA)

Márcio Marinho (Republicanos-BA)

Marreca Filho (Patriota-MA)

Marx Beltrão (PSD-AL)

Misael Varela (PSD-MG)

Nivaldo Albuquerque (PTB-AL)

Orlando Silva (PCdoB-SP)

Paulo Azi (DEM-BA)

Rodrigo de Castro (PSDB-MG)

Vicentinho Junior (PL-TO)

Zeca Dirceu (PT-PR)

 

Contrários ao aumento:

Dra. Soraya Manato (PSL-ES)

Edmilson Rodrigues (Psol-PA)

Felipe Francischini (PSL-PR)

Filipe Barros (PSL-PR)

Lucas Gonzalez (Novo-MG)


Filho vota contra veto de Bolsonaro

A medida tem o apoio declarado de 13 partidos (PT, PSDB, MDB, PSL, PSD, Solidariedade, DEM, Republicanos, PSB, PDT, PTB, PP e PL). Outros apoiam a iniciativa, mas preferem se manter em silêncio.

O primeiro ato para a elevação  do fundo foi a derrubada, há cerca de dez dias, de um veto do presidente Jair Bolsonaro que restringia o valor dos recursos. O senador Flávio Bolsonaro (sem partido-RJ), filho do presidente, votou para derrubar o veto do pai. Criticado nas redes sociais, ele publicou, então, um vídeo para se explicar. Flávio disse que se confundiu na hora de preencher a cédula de votação e garantiu que, apesar disso, é contra o aumento do fundão. No fim, comprometeu-se a não usar esse recurso nas suas próximas campanhas.

> Veja como cada parlamentar votou a medida que permite aumento do fundo eleitoral

Veja o vídeo:

 

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!